antidepressivos funcionam

Os antidepressivos funcionam?

Os antidepressivos realmente funcionam? Quais são os efeitos colaterais? Tudo é apenas uma farsa? Espero que este artigo ajude a responder a essas e muitas outras perguntas sobre antidepressivos. Além disso, fornecerá outro método bem pesquisado para tratar a depressão.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), 264 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de depressão e a necessidade de mais tratamentos de fácil acesso é óbvia. A medicação antidepressiva é o tratamento mais comum para a depressão, mas muitos pacientes interrompem o tratamento precocemente devido aos efeitos colaterais desconfortáveis.

Nos últimos dez anos, uma forma suave de estimulação cerebral (ETCC) tornou-se uma alternativa cada vez mais popular aos antidepressivos, principalmente por causa de seus efeitos colaterais mais leves. Neste artigo, você encontrará um guia baseado em evidências sobre antidepressivos, ETCC e o que acontece quando você combina os dois. Terminaremos com uma comparação resumida.

Os antidepressivos realmente funcionam?

Os Inibidores Seletivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) são uma forma comum de medicação antidepressiva, prescrita para milhões de pessoas em todo o mundo. Embora os ISRS estejam em uso há décadas, os pesquisadores ainda não sabem exatamente por que eles funcionam. Mas eles funcionam. Em 2018, uma equipe de pesquisa liderada pelo professor de psiquiatria Andrea Cipriani incluiu 522 ensaios e 116.477 participantes em uma meta-análise explorando a eficácia de 21 medicamentos antidepressivos. Os pesquisadores descobriram que todos os antidepressivos foram mais eficazes do que o placebo em adultos deprimidos. Aqui estão os mais eficazes:

  • Amitriptilina
  • Mirtazapina
  • Venlafaxina
  • Paroxetina (Paxil)
  • Sertralina (Zoloft)
  • Fluoxetina (Prozac)
  • Citalopram (Celexa)
  • Reboxetina

Em entrevista ao The Guardian, o professor Cipriani afirma que cerca de 60% dos pacientes deprimidos notam uma redução de 50% em seus sintomas após dois meses de uso de medicação antidepressiva. Esses números são semelhantes às taxas de sucesso da psicoterapia, como a TCC. Ele também ressalta que qualquer um dos antidepressivos da lista pode ser útil. Uma meta-análise só pode estudar os efeitos dos antidepressivos em grupos de pessoas, não pode mostrar qual droga teria mais probabilidade de funcionar para qualquer indivíduo. É por isso que os médicos precisam de mais de um medicamento para escolher ao prescrever antidepressivos. Se um não funcionar, talvez outro funcione. Além disso, os médicos precisam levar em conta os efeitos colaterais. No estudo de Cipriani, três medicamentos antidepressivos se destacaram como eficazes e bem tolerados pelos pacientes:

  • Agomelatina
  • Escitalopram
  • Vortioxetina

Como você vê, os medicamentos mais eficazes nem sempre são a primeira escolha do médico. É por isso que leva tempo para encontrar o antidepressivo certo. Os médicos não sabem de antemão qual antidepressivo será mais eficaz para o paciente individual ou qual dará efeitos colaterais toleráveis. Isso nos leva a alguns dos maiores problemas com medicamentos antidepressivos.

“Cerca de 80% das pessoas param de tomar antidepressivos em um mês”
Professor Andrea Cipriani para o The Guardian (2018)

Qual é o maior problema com a medicação antidepressiva?

Até agora, concluímos que cerca de 60% das pessoas que tomam antidepressivos notam uma redução significativa em seus sintomas depressivos. Isso significa que 40% podem não ser ajudados, embora esse não seja o maior problema com os medicamentos antidepressivos. Acontece que a maioria das pessoas interrompe o tratamento precocemente, geralmente por causa de efeitos colaterais desconfortáveis. A lista a seguir inclui efeitos colaterais comuns dos antidepressivos:

  • Insônia
  • Sonolência durante o dia
  • Inquietação
  • Ganho de peso
  • Diminuição do interesse sexual, desejo, desempenho e satisfação
  • Dores de cabeça
  • Dores nas articulações e dores musculares
  • Espasmos musculares/espasmos
  • Boca seca
  • Transpiração intensa
  • Erupções cutâneas
  • Tontura
  • Náusea
  • Dor de estômago
  • Prisão de ventre
  • Diarréia

Tomar antidepressivos geralmente é seguro, mas, como você pode ver na lista acima, nem sempre é agradável. Em 2013, uma equipe de pesquisa da Holanda analisou 927 casos de uso de antidepressivos em um estudo naturalístico. Os pesquisadores concluíram que os efeitos colaterais dos antidepressivos persistem durante o uso a longo prazo e que uma dose mais alta de medicação está associada a efeitos colaterais mais graves.

Leia mais sobre os efeitos colaterais dos antidepressivos aqui: Quais são os efeitos colaterais dos antidepressivos? – Aprenda sobre efeitos colaterais, tolerância e abstinência.

Misturar antidepressivos com outros medicamentos

Se você já está tomando outra forma de medicação e pensando em tomar antidepressivos, há motivos para ser muito cauteloso. Embora os médicos geralmente prescrevam medicamentos com perfis de efeitos colaterais bem conhecidos, é muito difícil para os profissionais médicos prever como dois medicamentos diferentes irão interagir entre si. Às vezes, dois medicamentos combinados criam efeitos colaterais inesperados. Por exemplo, misturar Pravastatina ou Pravacol (um medicamento para colesterol alto) e Paroxetina ou Paxil (um antidepressivo) cria um pico inesperado e insalubre nos níveis de glicose. Níveis elevados de glicose estão associados a um risco aumentado de diabetes e, a longo prazo, associados a danos em órgãos e tecidos.

O pesquisador Russ Altman, que está estudando interações medicamentosas inesperadas, pode falar mais sobre isso em sua palestra no TED (áudio em inglês, com legenda em português disponível).

De acordo com a Harvard Health Publishing, os antidepressivos não devem ser misturados com Erva-de-São-João (um remédio à base de plantas), inibidores da monoamina oxidase, como Fenelzina (Nardil) e Clomipramina (Anafranil) ou lítio (um tratamento comum para transtorno bipolar).

Síndrome de descontinuação de antidepressivos

Diminuir a dose de um medicamento antidepressivo ou interromper o tratamento muito abruptamente pode resultar no que os pesquisadores chamam de “síndrome de descontinuação de antidepressivos”. De acordo com o artigo escrito pelos pesquisadores M. Gabriel e V. Sharma em 2017, a síndrome pode resultar em uma variedade de sintomas, como:

  • Sintomas semelhantes aos da gripe (letargia, fadiga, dor de cabeça, dor, sudorese)
  • Insônia (com sonhos vívidos ou pesadelos)
  • Náusea (às vezes vômito)
  • Desequilíbrio (tontura, vertigem, tontura)
  • Distúrbios sensoriais (“sensações de queimação”, “formigamento”, “tipo elétrico” ou “tipo choque”)
  • Hiperexcitação (ansiedade, irritabilidade, agitação, agressão, mania, espasmos)

A síndrome de descontinuação de antidepressivos é comum. Segundo Gabriel & Sharma, cerca de 20% dos pacientes são acometidos por ela após diminuir significativamente a dose de um antidepressivo ou após interromper o tratamento abruptamente.

A estimulação cerebral pode ser uma alternativa aos antidepressivos?

Até agora, concluímos que os antidepressivos podem ser eficazes no tratamento da depressão. Ao mesmo tempo, as pílulas trazem efeitos colaterais desconfortáveis e, às vezes, problemas inesperados quando misturados com outras formas de medicamentos.

Nos últimos 10 anos, os pesquisadores demonstraram muito interesse em diferentes tipos de estimulação cerebral como alternativas aos antidepressivos. A estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC) é uma forma de estimulação cerebral suave que usa uma corrente elétrica de baixa intensidade para ajudar a ativar as células cerebrais em uma área na seção frontal do cérebro. A ETCC não deve ser confundida com terapia eletroconvulsiva (ECT). A corrente ETCC (0,5-2 mA) é 400 vezes mais fraca e é fornecida através de dois eletrodos, colocados no couro cabeludo. Uma sessão de estimulação cerebral com ETCC geralmente dura 30 minutos e pode ser administrada em casa com um Headset ETCC.

Então, se você não estiver interessado em antidepressivos, poderia usar a ETCC para se recuperar da depressão? A resposta é sim. Pesquisas recentes mostraram que a ETCC pode ser uma alternativa eficaz aos antidepressivos, especialmente se você estiver tomando outras formas de medicamentos ou se não quiser lidar com efeitos colaterais graves e desconfortáveis. Em 2016, Marom Bikson e colegas estudaram mais de 33.200 sessões de ETCC em uma meta-análise com mais de 1.000 participantes. Eles descobriram que a ETCC é um tratamento seguro que nunca foi associado a eventos adversos graves. Os efeitos colaterais da ETCC são menores e mais leves do que os da medicação antidepressiva. Os efeitos colaterais da ETCC incluem:

  • Sensações leves de ardor ou queimação sob os eletrodos durante a estimulação
  • Vermelhidão da pele
  • Dores de cabeça leves que passam após 30 minutos

Qual a eficácia da ETCC?

Alguns estudos mostram que a eficácia da ETCC é comparável à medicação antidepressiva e alguns outros estudos mostram que a medicação é mais eficaz do que a ETCC. Os estudos de pesquisa concordam que o tratamento da depressão com ETCC é significativamente mais eficaz do que o placebo.

“… descobrimos que a ETCC é eficaz em todos os resultados nas meta-análises em pares e em rede.”
Mutz et. al, 2019

“A ETCC ativa foi significativamente superior à simulação em todos os resultados.”
Moffa et. al, 2020

Um dos maiores estudos de ETCC mostrou que 41% das pessoas deprimidas notaram uma redução de 50% de seus sintomas em 6 semanas e que 24% se recuperaram totalmente da depressão com o tratamento à base de ETCC.

Se você quiser ver uma linha do tempo da história da ETCC, incluindo as descobertas científicas mais importantes desde os tempos antigos, clique aqui.

Como funciona a ETCC?

Tal como acontece com a medicação antidepressiva, os pesquisadores não podem saber ao certo porque a ETCC funciona, mas a hipótese provável é que o tratamento ajuda a ativar as células cerebrais em uma área específica do cérebro responsável pela regulação do humor. Imagens cerebrais de pacientes deprimidos mostram que a depressão está associada à atividade reduzida em uma área na frente do cérebro, chamada córtex pré-frontal dorsolateral (CPFDL). Quando a atividade no CPFDL está desequilibrada, pode levar a comportamentos depressivos, como alterações de apetite, distúrbios do sono e baixos níveis de energia.

Ao tratar a depressão, os eletrodos são colocados no alto da testa para ajudar a atingir essa área. A ETCC envia sinais elétricos suaves para o CPFDL, aumentando o fluxo sanguíneo e o metabolismo. Dessa forma, as células cerebrais se tornam mais facilmente ativadas, a função cerebral é restaurada e os sintomas depressivos diminuem.

Onde posso obter a ETCC?

A Flow Neuroscience desenvolveu o primeiro dispositivo ETCC com marcação CE e ANVISA e aprovado para uso doméstico. Pode ser usado por qualquer pessoa maior de 18 anos e com diagnóstico de depressão (Transtorno Depressivo Maior). Você pode solicitar aqui. O dispositivo é controlado e gerenciado por bluetooth através do aplicativo Flow.

O que acontece quando você combina antidepressivos com ETCC?

Todos os tratamentos para a depressão têm uma coisa em comum: funcionam para algumas pessoas e para outras não. Infelizmente, não há tratamento para depressão que ajude a todos. A boa notícia é que você pode combinar diferentes tipos de tratamentos e aumentar suas chances de se recuperar da depressão. Vários estudos descobriram que a combinação de antidepressivos e ETCC oferece um tratamento mais eficaz do que usar qualquer um dos dois separadamente.

Em 2013, o Dr. Andre Brunoni e colegas estudaram os efeitos da sertralina (um antidepressivo comum), ETCC e placebo (tratamento simulado) em 120 participantes da pesquisa com depressão moderada a grave. Eles descobriram que o tratamento combinado usando ETCC e medicação antidepressiva foi significativamente mais eficaz do que apenas a ETCC ou apenas os antidepressivos. O tratamento combinado foi o único que resultou em melhorias significativas em apenas duas semanas.

“Na desordem depressiva principal (MDD), a combinação de ETCC e sertralina aumenta a eficácia de cada tratamento. A eficácia e segurança da ETCC e da sertralina não diferiram.”
Brunoni et. em 2013

Os pesquisadores apontam que a depressão está associada à alteração da atividade no CPFDL, mas também à disfunção no sistema límbico do cérebro. Eles levantaram a hipótese de que a ETCC melhora a função do CPFDL e que os antidepressivos melhoram a função do sistema límbico. Isso poderia explicar por que os participantes que receberam os dois tratamentos se sentiram significativamente melhores do que os demais; o tratamento combinado melhorou duas áreas diferentes do cérebro simultaneamente.

A seguir, uma breve comparação entre antidepressivos e ETCC.

Comparando antidepressivos e ETCC

– Uma breve visão geral

Eficácia

Ambos os tratamentos são significativamente mais eficazes do que o placebo. Alguns estudos sugerem que os antidepressivos e ETCC são igualmente eficazes no tratamento da depressão, enquanto outros estudos sugerem que os antidepressivos são mais eficazes. Você obtém os melhores resultados ao combinar ETCC e medicação antidepressiva.

Efeitos colaterais

Antidepressivos: Os efeitos colaterais comuns dos antidepressivos incluem insônia, sonolência durante o dia, inquietação, ganho de peso, diminuição do interesse sexual/desejo/desempenho/satisfação, dores de cabeça, dores nas articulações e dores musculares, espasmos, boca seca, sudorese profusa, erupções cutâneas na pele, tonturas, náuseas, dores de estômago, prisão de ventre e diarreia. Em geral, os medicamentos antidepressivos chamados ISRS causam efeitos colaterais mais leves do que outras formas de antidepressivos.

Há motivos para ser muito cauteloso ao misturar antidepressivos com outros medicamentos. Pode ser difícil para os profissionais médicos prever como dois medicamentos diferentes irão interagir entre si.

ETCC: Os efeitos colaterais comuns do ETCC incluem sensações leves de ardor ou queimação sob os eletrodos durante a estimulação, vermelhidão da pele e dores de cabeça leves que passam após 30 minutos.

Protocolo de tratamento

Antidepressivos: Um diagnóstico de depressão, uma prescrição e visitas regulares ao seu médico são necessários para receber tratamento com medicação antidepressiva. Pode levar algum tempo até que você encontre o tipo certo de medicamento e a dose apropriada, mas quando o faz, o procedimento é bastante simples: engula a pílula, geralmente uma vez ao dia. A maioria das pessoas percebe uma redução de seus sintomas dentro de dois meses.

ETCC: Se você tem um diagnóstico de depressão, não precisa visitar uma clínica para usar a ETCC. O tratamento da Flow Neuroscience é clinicamente aprovado para uso em casa. Você pode comprá-lo online e tê-lo entregue em sua porta. Você receberá cinco sessões de estimulação de 30 minutos por semana, durante as primeiras três semanas. Depois disso, haverá uma ou duas sessões por semana pelo tempo que você quiser. Você pode retomar as atividades diárias após as sessões de estimulação cerebral. A maioria das pessoas sente uma redução de seus sintomas dentro de 3-4 semanas.

Se você não tiver um diagnóstico, entre em contato com um profissional médico para uma consulta de saúde mental.

Quer saber mais sobre o tratamento ETCC da Flow Neuroscience? Veja como funciona:

Guia rápido

  • 1. Encomende o Headset Flow na loja virtual.
  • 2. Baixe o aplicativo gratuito de depressão.
  • 3. Em alguns dias, seu Headset será entregue. Quando chegar, desembale-o e inicie o aplicativo.
  • 4. O aplicativo mostrará como colocar o fone de ouvido e como iniciar a estimulação. Basta seguir as instruções.
  • 5. Você receberá cinco sessões de estimulação de 30 minutos por semana, durante as primeiras três semanas. Depois disso, haverá uma ou duas sessões por semana pelo tempo que você quiser.
  • 6. A maioria das pessoas sente uma redução de seus sintomas depressivos após 3-4 semanas.
  • 7. Se você quiser saber mais sobre como usar o dispositivo Flow ETCC, assista a este vídeo (o conteúdo está em inglês, mas é possível ativar as legendas em português).

Muito obrigado pela atenção!

Este artigo foi traduzido e para acessá-lo no original, clique aqui.

Tags: No tags

Leave A Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *