Depressão em homens

Os sinais ocultos de depressão nos homens

As mulheres têm duas vezes mais chances de serem diagnosticadas com depressão do que os homens. Mas os homens têm uma probabilidade significativamente maior de morrer por suicídio e muito menos probabilidade de procurar ajuda profissional. Por que será?

É assim que um homem com depressão argumenta:

“O cara que está deprimido não quer que ninguém saiba que ele está deprimido. E você desenvolve habilidades de enfrentamento – finja até conseguir… Você finge muito. Você brinca muito com as pessoas que está bem. Se alguém chega até você e pergunta “Oi, como vai”, você diz “Estou bem”. Mentira. Você não está bem. Mas você não vai dizer a eles que… Eu tive que fingir até conseguir. E às vezes isso era muito difícil.”

Este artigo mergulha fundo na depressão masculina em um esforço para lançar luz sobre tópicos como estigma, comportamentos de busca de ajuda e como os sinais de depressão diferem entre os sexos. No final, você verá as opções de tratamento recomendadas para homens.

Nota: A maioria das pesquisas em saúde mental que levam em consideração as diferenças de gênero concentra-se nas diferenças entre homens e mulheres. No entanto, depressão, ansiedade, automutilação e suicídio são geralmente maiores em pessoas com identidades de gênero não-binárias. Encontre mais informações neste artigo de pesquisa de Reisner & Hughto.

A depressão oculta nos homens

Vamos considerar por que um número significativamente menor de homens do que mulheres são diagnosticados com depressão. Esta é uma pergunta com uma resposta complexa. Ou melhor, envolve mais de um motivo.

Fatores hormonais, ambientais, psicológicos e sociológicos trabalham juntos para criar uma diferença de gênero.

Aqui estão algumas das causas mais profundas, descobertas por pesquisas modernas:

Estigma

Em geral, os homens tendem a experimentar o estigma causado por uma cultura social que celebra a autossuficiência, a dureza e as emoções reprimidas. Isso às vezes impede que os homens procurem ajuda profissional ou os faz esperar mais tempo antes de fazê-lo.

Portanto, se você é homem, pode ter sido ensinado a acreditar que é “fraco” ou “pouco viril” ao solicitar tratamento. Um equívoco com consequências mortais.

Um estudo de pesquisa canadense realizado pelo Dr. Mackenzie e seus colegas descobriu que homens deprimidos relataram significativamente mais autoestima relacionado à procura de ajuda do que mulheres, por exemplo. “Eu me sentiria envergonhado em procurar ajuda profissional para depressão”.

Além disso, a equipe de Mackenzie procurou o estigma público em relação à depressão masculina. Eles descobriram que os homens, como um grupo, eram mais propensos a estigmatizar a depressão e o suicídio dos homens, relatando coisas como “Homens com depressão podem sair dela se quiserem”.

Além disso, os homens mais jovens eram mais propensos a normalizar ou glorificar o suicídio relatando coisas como “Homens que se suicidam são fortes, corajosos, nobres ou dedicados”. Em contraste, as mulheres eram mais propensas a relatar que os homens que se suicidam ficam isolados ou deprimidos.

Portanto, as normas masculinas que normalmente glorificam a força, cuidando de seus próprios problemas e engolindo suas emoções podem atrapalhar quando você precisa de um diagnóstico e tratamento.

Senta que lá vem história

A seguinte história vem de um jovem que luta contra a depressão e o estigma:

“A razão pela qual eu acho que muitos jovens ficam deprimidos é que eles não têm como expressar o que está acontecendo com eles por dentro. As emoções aceitáveis ​​para um homem são a raiva… e você pode brigar e gritar e ficar realmente chateado. Isso é socialmente aceitável. Ao passo que ser cronicamente triste não é algo que muitas pessoas acham viril.

Acho que o que acontece é que deixa uma espécie de acúmulo de emoções reprimidas. Eu definitivamente me senti assim. E eu fiz uma analogia para mim mesmo, quando me sentia muito chateado ou triste por respirar fundo e me imaginava colocando uma rolha em uma garrafa e apertando-a com força. E eu podia sentir a depressão no meu estômago e pensei “Pronto. Eu os afastei. Lidei com os meus sentimentos”. E esse acúmulo consome muita energia. E acho que foi isso que desencadeou minha depressão no passado – manter todas essas coisas tóxicas dentro de mim… ”

É mais comum que os homens pensem que não está certo discutir experiências difíceis, como abuso ou negligência. Então, mesmo sabendo que falar deveria ajudar, você tem uma voz vibrando em seu cérebro dizendo que você deveria ser capaz de ignorar o que aconteceu com você. E se não o fizer, você é fraco. E ninguém quer ser visto como fraco.

Isso pode facilmente levar a projeções. Se você aprendeu que sentir-se triste é um sinal de fraqueza, não é de admirar que seja muito difícil admitir para si mesmo que você pode ter problemas de saúde mental. Então, em vez de enfrentar seu mundo interior, você direciona sua atenção e frustração para fora.

Isso nos leva ao próximo ponto. Se não é normal chorar ou pedir ajuda, como os homens lidam com os sinais de depressão?

Diferentes sinais de depressão em homens

Outra razão pela qual os homens são diagnosticados com depressão com menos frequência é que o transtorno se apresenta de forma um pouco diferente do que nas mulheres. Em geral, os homens têm maior probabilidade de mascarar os sintomas depressivos por meio de comportamentos agressivos, de risco e impulsivos (que na verdade não são listados como sintomas de depressão).

Então, para entender as diferenças de gênero, vamos primeiro dar uma olhada nas semelhanças.

Existem nove sintomas comuns de depressão que todos experimentam (homens, mulheres e não-binários). E você precisa apresentar pelo menos cinco destes para ser diagnosticado com depressão:

  • 1. Humor deprimido: sensação de tristeza na maior parte do dia, quase todos os dias.
  • 2. Perda de interesse e prazer: redução acentuada do interesse/prazer em todas (ou quase todas) as atividades na maior parte do dia.
  • 3. Apetite ou peso alterados (comer mais ou menos do que o normal).
  • 4. Perturbação do sono (muito ou pouco).
  • 5. Mover-se mais devagar do que o normal ou fazer movimentos sem sentido devido à ansiedade (por exemplo, torcer as mãos).
  • 6. Falta de energia: sensação de cansaço quase todos os dias.
  • 7. Sentir-se excessivamente culpado e/ou inútil.
  • 8. Tendo dificuldade em se concentrar e/ou tomar decisões.
  • 9. Ter pensamentos repetidos sobre a morte, pensamentos suicidas ou, às vezes, desejar estar morto.

Além dos sintomas comuns acima, os sinais de depressão em homens podem ser assim:

  • Raiva exagerada e comportamento agressivo;
  • Irritabilidade crônica;
  • Assumir riscos ou impulsividade;
  • Uma tendência para trabalhar em excesso (como forma de lidar com a depressão);
  • Beber demais ou abusar de outras substâncias;
  • Arrogância (como forma de mascarar a insegurança).

Diferenças relatadas em uma história

A depressão nos homens nem sempre se parece com os nove sintomas comuns. Portanto, há o risco de você obter o diagnóstico errado ou de seu médico não perceber sua depressão. É por isso que é importante estar ciente de como os sinais de depressão às vezes diferem entre os sexos.

Aqui está a história de Trevor. Esperançosamente, pode servir como um exemplo de como os sinais de depressão nos homens podem se manifestar:

Os sinais de depressão de Trevor eram difíceis de reconhecer. Levou muito tempo para perceber o que o estava incomodando, talvez porque nada de “ruim” tivesse acontecido com ele antes de sua depressão. Em vez disso, ele foi promovido no escritório de advocacia onde trabalhava, o que significava salário mais alto, status social mais alto e mais responsabilidades. Essa foi uma oportunidade que todos pensaram que o deixaria mais feliz.

Antes da promoção, a família e os colegas o descreveram como justo e tranquilo. Mas logo depois de conseguir o novo emprego, Trevor tornou-se muito mais mal-humorado e exigente. Ele gritava com os colegas por pequenos erros e reagia de forma exagerada a questões insignificantes em casa. Ele desenvolveu o hábito de chegar atrasado ao trabalho e negligenciou algumas de suas atribuições. Seus colegas começaram a acreditar que o novo título o tornara arrogante e bastante mesquinho.

Trevor tornou-se cada vez menos interessado em sexo. Quando sua esposa tentou resolver o problema, ele se recusou a falar sobre isso. Ela suspeitou que ele não a amava mais e talvez que ele tivesse um caso.

Nenhum dos amigos próximos ou familiares de Trevor teria adivinhado que a depressão era a razão por trás de seu comportamento. Ele parecia um advogado de sucesso por fora, mas se sentia completamente diferente por dentro. Então foi quando começou a ter pensamentos negativos sobre as outras pessoas, como “ninguém realmente se importa comigo”, “as pessoas não são confiáveis”, “não posso confiar em ninguém”.

Com o passar do tempo, seus pensamentos sobre si mesmo foram ficando cada vez mais negativos, como “não sou bom o suficiente”, “sou uma fraude”, “não consigo fazer nada direito”. Mais tarde, seus pensamentos sobre o mundo em geral começaram a se tornar cinzentos e sem esperança, como “a vida não tem sentido”, “estamos sozinhos”, “nada vai ficar melhor”.

Como Trevor ainda gerenciava seu trabalho e outras tarefas necessárias, levou vários meses para perceber que o que estava passando era na verdade um transtorno mental. Um dia, ele encontrou um documentário sobre depressão. Reconheceu tantos dos sintomas que entendeu que a depressão era uma causa provável por trás de seu mau humor e pensamentos negativos. E depois de algumas pesquisas adicionais, ele marcou uma consulta com um psicólogo.

O blog 11 causas da depressão diz mais sobre o que causa a depressão.

Sobre violência

Você descobrirá que a diferença entre os sinais de depressão nos homens e nas mulheres é que os homens têm uma tendência maior de expressar ativamente sua depressão. Por exemplo, gritando ou brigando. É claro que isso é uma generalização e as diferenças individuais nunca devem ser ignoradas. Ainda assim, o risco potencial de violência é muito importante para ser negligenciado.

Como você pode ver na lista de sintomas acima, os sinais de depressão nos homens podem, quando não tratados, tornar-se um perigo para a família e amigos. A agressão não termina necessariamente em violência. Mas às vezes acontece. E aprender mais sobre a relação entre agressão e depressão nos homens pode ajudar a proteger a pessoa deprimida e as pessoas ao seu redor.

Andrew Solomon (autor do livro premiado sobre depressão – The Noonday Demon), que sobreviveu a vários episódios de depressão severa, descreve suas próprias explosões de raiva chocantemente intensas como esta:

“Tive vários episódios de violência desde minha primeira depressão e me pergunto se esses episódios, para os quais não havia precedente em minha vida, estavam relacionados à depressão, eram parte de suas consequências ou deveriam estar de alguma forma associados à antidepressivos que tomei. (…) Um dia, quando eu tinha trinta e poucos anos, fiquei com uma raiva tão irracional que comecei a tramar assassinatos em minha mente. Acabei descarregando essa raiva quebrando o vidro em uma série de fotos minhas que estavam penduradas na casa de uma namorada…

Um ano depois, tive um sério desentendimento com um homem que eu amava muito e por quem me sentia traído profunda e cruelmente. Eu já estava em um estado de depressão e fiquei furioso. Eu o ataquei com uma ferocidade diferente de todas as que eu tinha experimentado antes, joguei-o contra a parede e o golpeei repetidamente.”

A melhor maneira de evitar que os sintomas agressivos se transformem em violência é obter o tratamento correto para a depressão o mais rápido possível.

Diferenças hormonais

A biologia desempenha um papel na depressão, embora não necessariamente o papel principal.

Os hormônios podem, até certo ponto, explicar porquê a depressão afeta menos os homens. As mulheres, como grupo, sofrem de várias formas de depressão, como depressão pós-parto, depressão pré-menstrual e depressão da menopausa. Além disso, elas são afetadas por todas as formas de depressão que afligem os homens.

Mas a biologia por si só não explica o alto índice de depressão feminina, o que nos leva ao próximo ponto.

Posição de poder

A vida das mulheres e das pessoas não-binárias têm maior probabilidade de incluir circunstâncias que levam à depressão. Como Andrew Solomon expressa de forma tão eloquente:

“Existem diferenças sociais evidentes entre as posições de força e poder de homens e mulheres. Parte da razão pela qual as mulheres ficam deprimidas com mais frequência do que os homens é que elas são mais frequentemente privadas de direitos civis… O mundo é dominado por homens, e isso torna as coisas difíceis para as mulheres. As mulheres são menos capazes de se defender fisicamente. É mais provável que sejam pobres. Elas são mais propensas a serem vítimas de abuso. Eles são menos propensos a serem educados. Elas são mais propensas a sofrerem humilhações regulares. Elas têm maior probabilidade de perder posição social devido aos sinais visíveis de envelhecimento. Elas são mais propensas a serem subordinadas a seus maridos.”

Para concluir

Parece que precisamos considerar fatores biológicos, ambientais, psicológicos e sociológicos para entender por que os homens são diagnosticados com depressão com menos frequência. Parte da razão é que menos homens do que mulheres ficam deprimidos. Mas quando a depressão afeta os homens, é menos provável que eles identifiquem seus sintomas como depressão e menos ainda que procurem ajuda profissional. Portanto, há razões para acreditar que nem todos os homens deprimidos são diagnosticados.

E o estigma em torno da depressão masculina, nos dizendo que tristeza crônica e atributos masculinos simplesmente não combinam, pode ter consequências mortais. Impede que os homens recebam o tratamento de que precisam.

Onde os homens com depressão podem obter tratamento?

Esta seção apresenta estratégias psicológicas especificamente úteis para homens com depressão.

Torne-se mais assertivo

De acordo com o Dr. Ryan M Denney (psicólogo clínico da Connections, com ampla experiência no tratamento da depressão em homens), os homens deprimidos precisam se tornar mais assertivos. Isso pode parecer contra-intuitivo porque a depressão nos homens costuma se manifestar por meio da agressão.

Mas lembre-se, assertivo não é agressivo.

Ser assertivo é (apropriadamente) pedir o que você precisa em seus relacionamentos e em outras áreas de sua vida. Assim, para ter suas necessidades atendidas. E dizer não com calma às pessoas que violam seus limites, sem gritar ou atacar.

Ser assertivo em um relacionamento pode ser dizer coisas como:

  • “Tive um dia difícil. Eu realmente preciso falar sobre isso.”
  • “Gosto muito de passar um tempo com você, mas agora preciso descansar.”
  • “Estou passando por algo e preciso que você ouça minha história.”
  • “Estou completamente cheio agora. Lamento não poder ajudá-lo esta semana.”
  • “Eu preciso de um abraço.”
Desenvolva sua inteligência emocional

Os homens sentem. Sentem profundamente. No entanto, eles nem sempre têm certeza do que fazer com as emoções fortes quando elas surgem. É claro que esse não é o caso de todos os homens, mas, em geral, os meninos nem sempre têm a mesma oportunidade que as meninas de desenvolver sua inteligência emocional. Eles correm o risco de serem avisados ​​para “levantarem-se”. Para suprimir aquilo que estão sentindo e agir como se nada tivesse acontecido, em vez de explorar as reações e usá-las de forma construtiva.

Soa familiar? Eu realmente espero que não, mas infelizmente é bastante comum.

Portanto, aprender a identificar sentimentos e a expressá-los de maneira adequada (em vez de aumentar e explodir) o ajudará a sair da depressão. E a maneira mais fácil de conseguir isso é por meio da psicoterapia com um psicólogo licenciado.

Tratamento tDCS

Você pode consultar um outro método para o tratamento da Depressão. Ele combina estimulação cerebral suave (por meio de um headset tDCS) com um aplicativo de depressão informando sobre mudanças de estilo de vida com antidepressivos. É o primeiro tratamento tDCS aprovado clinicamente para uso doméstico.

Quer saber mais sobre como se recuperar da depressão por conta própria?

Talvez estes artigos forneçam o que você precisa:

E lembrando que este artigo foi traduzido, para ver a versão original clique aqui.

Leave A Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *