As mídias sociais podem causar depressão?

As mídias sociais podem causar depressão?

Desde o seu início, as redes sociais têm recebido críticas sobre seus efeitos na saúde mental. Embora os protestos iniciais tenham sido alimentados principalmente por palpites, a pesquisa de hoje sobre mídia social e depressão demonstra ligações mais concretas entre as plataformas online populares e a saúde mental.

Quanto tempo você passa nas redes sociais?

Provavelmente, é mais do que você pensa.

Os cidadãos da maioria dos países europeus passam cerca de duas horas por dia em plataformas de redes sociais – com as populações mais jovens esse tempo chega a quase três horas. Uma simples verificação do “Tempo de tela” nas configurações da maioria dos smartphones revelará que, despretensiosamente, dedicamos partes significativas de nossos dias ao Instagram, Facebook e outras plataformas semelhantes.

Esses longos períodos conectados não são devidos à fraca força de vontade nem ao gerenciamento de tempo ruim. Os aplicativos de mídia social são projetados para ter um efeito altamente viciante. O documentário da Netflix “The Social Dilemma” (2020) revela que muitos aspectos dos aplicativos de mídia social – desde o recurso de “atualização” até as notificações – são intencionalmente criados para nos atrair de volta aos nossos feeds uma e outra vez.

O uso excessivo de praticamente qualquer coisa tem suas desvantagens. No entanto, como o Twitter e o Snapchat furtivamente ocupam cada vez mais nossas agendas, muitas vezes ficamos suscetíveis a algumas consequências particularmente preocupantes – algumas das quais são bastante diretas e outras mais difíceis de identificar.

Mídia social e depressão de perto…

O que há no uso da mídia social que influencia nossa saúde mental e, em alguns casos, até exacerba os sintomas depressivos? O que torna a frequência de redes sociais virtuais mais prejudicial do que ver regularmente as nossas redes sociais reais?

Nossa autoimagem…

“Eu não pareço tão bem assim…”
“Minha vida não é tão emocionante …”

A mídia social nos tira da realidade e nos puxa para esferas sociais muito maiores e mais acuradas do que aquelas nas quais participamos normalmente – colocando nossa autoestima em posições precárias.

Aplicativos como Instagram ou Facebook são motivos de competição para quem pode se apresentar como o mais atraente ou bem-sucedido. Esse tipo de ambiente pode desafiar nossa autoestima, lembrando-nos incansavelmente de nossas deficiências e imperfeições, e induzindo inseguranças que podem levar a ou piorar os sintomas depressivos, de acordo com o pesquisador Harris Hyun-soo Kim. Essas apresentações bem cuidadas também nos estimulam a reagir com nossos próprios auto-retratos falsificados, uma prática que também pode ser perigosa para nossa saúde mental.

A teoria da auto verificação nos diz que queremos ser percebidos pelos outros como percebemos a nós mesmos. A mídia social pode ameaçar essa consistência de identidade, forçando-nos a romper com nosso eu autêntico ou a sucumbir à baixa autoestima que a mídia social pode induzir. Ambas as opções podem provocar pensamentos negativos em relação a nós mesmos, ansiedade em relação à nossa identidade e sentimentos de solidão.

Por exemplo, se vejo fotos no meu Instagram que me fazem sentir pouco atraente ou impopular, posso postar imagens fabricadas ou aprimoradas para me retratar como mais atraente ou mais popular. Essas postagens, no entanto, seriam inautênticas e conflitariam com a forma como eu realmente me percebo.

De acordo com a teoria da auto verificação, essa dissonância teria consequências para minha saúde mental. Alternativamente, a fim de preservar uma percepção consistente de mim mesmo – mesmo que seja: “pouco atraente ou impopular” – eu poderia postar algo similarmente autodepreciativo. Embora esse curso de ação possa me permitir manter meu senso de identidade intacto, isso, é claro, só diminuiria ainda mais minha autoestima. Esse cenário de “escolha seu veneno” é o tipo de turbulência interna que a mídia social pode gerar.

Conteúdo desagradável…

Mesmo que o conteúdo que encontramos nas plataformas de mídia social não seja necessariamente relevante para a nossa autoimagem, a mera amplitude de imagens e sons disponíveis nas redes sociais significa que inevitavelmente interagimos com informações e imagens perturbadoras. Estudos têm mostrado que as notícias que assistimos podem afetar significativamente nosso humor – aumentando o estresse e a tristeza e aumentando as preocupações pessoais. Por exemplo, um feed do Instagram que contém notícias angustiantes de um crime local pode piorar a ansiedade em relação ao estado de nossa própria segurança pessoal.

A interação entre mídia social e depressão, no entanto, vai além do que vemos em nossos feeds. Há pesquisas que sugerem que a forma como usamos as mídias sociais e como nos sentimos em relação às mídias sociais também pode ter algum impacto em nossa saúde mental.

Usos prejudiciais da mídia social…

Os psicólogos identificaram e categorizaram dois tipos de uso de mídia social – usos problemáticos e passivos – que têm fortes ligações com os sintomas depressivos.

1. O uso problemático da mídia social é definido como padrões de uso da mídia social que se assemelham a um vício. “Sou um usuário problemático?” você pode estar perguntando. Provavelmente não. Os pesquisadores descobriram que apenas 2 a 10% dos usuários visitam plataformas de mídia social de forma problemática. O uso problemático envolve o uso desenfreado, em que quase todos os momentos de baixa são gastos em uma plataforma de mídia social.

O uso problemático também inclui usuários que utilizam seus feeds do Twitter ou Instagram como reguladores de humor. Um regulador de humor é uma ferramenta que, normalmente por meio da distração, ajuda o indivíduo a se afastar de pensamentos negativos e humores taciturnos. De acordo com uma meta-análise de 2018, essa dependência das mídias sociais tem altas correlações com sofrimento psicológico e sintomas depressivos. A mídia social e sua promessa de entretenimento sem fim se apresentam como uma válvula de escape perfeita para nos distrairmos de emoções desagradáveis.

É realista pensar que a maioria de nós não pertence a esses 2-10%. No entanto, podemos estar mais familiarizados com o segundo tipo de uso problemático de mídia social.

2. O uso passivo de mídia social (PSMU) é mais ou menos o que parece. Pesquisadores da Universidade de Leiden, na Holanda, classificam PSMU como o estúpido “rolar por feeds de notícias ou navegar por fotos de amigos”. Não é preciso um grande esforço mental para reconhecer esse tipo de comportamento em nossa vida diária. Os psicólogos postularam que essa navegação aparentemente benigna pode:

  • Piorar os sintomas depressivos existentes.
  • Reduzir o sentimento de pertença.
  • Prejudicar a saúde mental.
  • Induzir sentimentos de inferioridade.

Ou seja, mesmo quando nos envolvemos com plataformas de mídia social simplesmente para passar o tempo, estamos arriscando nosso bem-estar psicológico.

Nossas atitudes também importam…

Outra peça do quebra-cabeça são nossas atitudes em relação às mídias sociais e ao uso geral da tecnologia. Alguns estudos demonstraram que nossas atitudes em relação à mídia social podem ter um efeito de profecia auto realizável – o que significa que quando usamos a mídia social sob a crença de que a mídia social é uma perda de tempo ou ruim para a nossa saúde, estamos mais propensos a incorrer nas redes sociais efeitos deletérios da mídia. Essa descoberta parece exigir a difícil tarefa de compreender os perigos das mídias sociais sem internalizá-las inteiramente – um equilíbrio precário que complica ainda mais nosso relacionamento com as mídias sociais.

As ligações menos óbvias entre a mídia social e a depressão…

Também é importante avaliar como a mídia social interage com nossas rotinas diárias de maneira mais geral. Muitos dos efeitos mais notáveis ​​das mídias sociais sobre a saúde mental são mais indiretos do que podemos pensar.

Para que possamos realmente entender até que ponto a mídia social e a depressão estão relacionadas, devemos considerar as quatro principais maneiras pelas quais a mídia social se infiltra em outros aspectos de nossas vidas.

1. Redes sociais e sono

Talvez o mais importante para a nossa saúde mental seja como o uso da mídia social reduz nossos horários de sono. A qualidade do sono e a saúde mental estão intimamente relacionadas. Um estudo do psiquiatra Kadir Demirci explorou a relação entre tempo de tela, privação de sono, depressão e ansiedade, e mostrou que quando os aplicativos de mídia social nos prendem às nossas telas minutos antes de dormir, ficamos mais suscetíveis aos sintomas depressivos.

Como você aprendeu em um de nossos artigos anteriores, rotinas saudáveis ​​de sono são vitais para combater a depressão, e o uso de mídia social pode perturbar os padrões de sono de duas maneiras. Primeiro, apenas interagir com telas e luz azul atrapalha o sono. Luz azul bloqueia a melatonina, um hormônio essencial para dormir. Em segundo lugar, o conteúdo indutor de ansiedade que encontramos muitas vezes não nos coloca no espaço certo para uma noite de sono eficaz – deixando nossas mentes vagando quando deveriam estar desligando.

2. Redes sociais e atividade física

Quando você verifica seu Instagram, o que seu corpo está fazendo? Certamente não é correr, e nem andar – infelizmente para nossa postura e bem-estar psicológico.

Está bem documentado que o exercício físico pode aliviar os sintomas depressivos. No entanto, as horas de imobilidade que acompanham o uso das redes sociais nos afastam dessas atividades saudáveis. Consequentemente, pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano demonstraram que o comportamento sedentário na mídia com base na tela (SBM) pode nos deixar em um risco maior de depressão.

3. Mídia social e produtividade

Além da atividade física, o que mais sacrificamos por algumas horas nas redes sociais? Notavelmente, nossa atenção.

A mídia social é uma distração poderosa e pode atrapalhar nossos esforços para nos concentrar em tarefas importantes – nosso trabalho profissional, trabalho acadêmico ou projetos pessoais. O psicólogo Daniel Gilbert, especialista em psicologia da felicidade, descobriu que a falta de foco em nossas rotinas diárias pode causar níveis de infelicidade e ansiedade – “uma mente errante é uma mente infeliz”, diz ele.

Além do mais, um sintoma comum de depressão é a desatenção. Se você já tem problemas com esse sintoma, as notificações incômodas do Instagram só pioram a falta de atenção que você já pode estar experimentando.

4. Redes sociais e interações sociais

O tempo que passamos nas redes sociais também substitui o tempo de qualidade com amigos e família. Rolar por vários feeds muitas vezes substitui valiosas interações cara a cara – meia hora no Facebook em vez de combinar um pequeno almoço com amigos, 45 minutos devorando vídeos do YouTube em vez de um bate-papo com nossos respectivos parceiros. As consequências dessas substituições virtuais são mais do que uma refeição perdida ou um namorado mal-humorado.

Estudos revelam que a socialização face a face com amigos e familiares, especialmente à medida que envelhecemos, é uma eficaz e importante forma de combate da depressão. Quando as plataformas de mídia social nos atraem para nossas telas e para longe de rostos amigáveis, elas nos colocam em um risco maior de apresentar sintomas depressivos.

A mídia social e a depressão são questões complexas e em constante expansão. O conteúdo das mídias sociais e o design das próprias plataformas representam um conjunto de desafios. As maneiras pelas quais as mídias sociais afetam nosso estilo de vida e comportamento além da tela representam outra.

Felizmente, não estamos desamparados diante do Facebook e outros semelhantes.

Como desvendar a mídia social e a depressão

Existe um caminho pelo qual podemos evitar os perigos mencionados anteriormente e usar as redes sociais de forma saudável e divertida.

  1. Defina limites de tempo em aplicativos de mídia social. Esta solução é certamente mais fácil de falar do que fazer, mas funciona e funciona bem. A psicóloga Melissa Hunt conduziu um experimento que mostrou que apenas reduzir a duração do uso da mídia social pode reduzir a depressão e a solidão. Neste estudo, os participantes limitaram seu uso de mídia social a 10 minutos por aplicativo de mídia social, por dia. Essa redução drástica levou a melhorias encorajadoras na saúde mental dos participantes.
  2. Use a mídia social de forma proativa. Abra o Instagram com um propósito e saia quando esse propósito for cumprido. Verifique as férias dos seus amigos, leia as notícias mais recentes ou veja os resultados da partida de futebol da noite anterior. Quando usamos a mídia social com um propósito, é mais provável que desliguemos o telefone quando esse propósito for atendido e evitamos nos envolver no PSMU.
  3. Equilibre seu feed. Como costuma ser o seu feed do Facebook? São principalmente notícias? Amigos? Entretenimento? Lembre-se de que o que você vê influencia como você se sente. Certifique-se de que seus feeds de mídia social tenham um equilíbrio saudável de conteúdo para que seu tempo de inatividade o coloque no espaço certo. Talvez, por exemplo, considere seguir um relato mais alegre para cada veículo de notícias que você segue.
  4. Desative as notificações de aplicativos de mídia social. As notificações são projetadas para mantê-lo pensando sobre a mídia social, mesmo quando você está fora do telefone. Desativar as notificações permite que você recupere o controle de seu tempo de tela – verificando as redes sociais apenas quando quiser, não quando uma notificação o atrai.
  5. Carregue seu telefone longe da cama à noite. Manter o telefone ao alcance de um braço antes de dormir é uma tentação muito perigosa. Colocar o telefone em outro lugar que não seja ao lado da cama garante uma noite de sono mais saudável, desde que seus últimos momentos do dia sejam gastos fora das redes sociais.
  6. Mantenha seu telefone em outra sala para produtividade máxima. Semelhante à última dica, a distância física de seu telefone é uma maneira infalível de evitar distrações e eliminar a necessidade de verificar seu Instagram enquanto você tenta fazer o trabalho. Um você mais focado é um você mais feliz.
  7. Acompanhe o seu uso de mídia social nas configurações. Quase todos os smartphones modernos documentam seu tempo de tela. Ao fornecer a si mesmo regularmente um visual de quanto tempo você gasta em plataformas de mídia social, você pode monitorar melhor seu uso e obter uma compreensão mais profunda de suas tendências de mídia social.

Há um lado bom nas mídias sociais e na relação com a depressão

Então, a mídia social só serve para prejudicar nossa saúde mental, certo?

Ao contrário do que a maior parte deste artigo pode sugerir, não exatamente.

Apesar da pilha de preocupações em torno da mídia social e da saúde mental, há um otimismo cauteloso sobre como a mídia social pode ser transformada em uma ferramenta útil para o bem-estar psiquiátrico.

O Dr. Naslund e uma equipe de pesquisadores da Dartmouth University revelaram que a mídia social pode ser uma opção conveniente para indivíduos deprimidos que buscam conexão social. Em um estudo semelhante, o Dr. Naslund também descobriu que os indivíduos deprimidos talvez estejam ainda mais dispostos a se abrir sobre seus problemas de saúde mental em ambientes virtuais.

Claro, é natural ser um pouco cético à luz das descobertas mencionadas. No entanto, dadas as circunstâncias certas, as comunidades online de mídia social podem servir como fontes significativas de apoio para aqueles que lutam contra a saúde mental.

A mídia social, de fato, causa depressão?

Embora a comunidade científica ainda não tenha assumido uma posição firme, podemos ter certeza de que o uso da mídia social pode induzir estados de espírito e comportamentos que ameaçam nossa saúde mental. Também podemos ter certeza de que o tempo reduzido nas redes sociais só melhora nossa saúde mental.

Conforme a pesquisa se torna mais completa e as plataformas de mídia social se tornam mais conscientes das ameaças que representam, a complexa relação entre esses aplicativos e nosso bem-estar psicológico tende a melhorar.

O uso excessivo de praticamente qualquer coisa tem suas desvantagens. Essa realidade simples torna qualquer conversa de mídia social e depressão muito delicada. Mesmo que as qualidades inerentemente problemáticas das plataformas de mídia social sejam eliminadas, sua natureza viciante por si só é um motivo de grande preocupação.

Dito isso, aprendemos a conter o vício e a atingir o equilíbrio com muitos comportamentos tentadores – de alimentos açucarados a quaisquer outros passatempos que fornecem doses de dopamina. Talvez, com o tempo, possamos nos acostumar com essas paisagens sociais ainda relativamente incipientes e calibrar apropriadamente nosso uso.

Apesar dos muitos riscos, as mídias sociais e sua capacidade de curar comunidades e entretenimento on-line inviáveis ​​de outra forma têm a capacidade de trazer alegria, conexão e relaxamento para nossas vidas. Em suma, quer usemos nossas telas para obter o Snapchat ou suporte, contanto que estejamos informados sobre os perigos e tenhamos paciência conosco mesmos, podemos desfrutar dos muitos benefícios felizes e saudáveis ​​das mídias sociais.

Se você quiser saber mais sobre uma abordagem inovadora para a saúde mental que inclui dicas de estilo de vida – confira o aplicativo Flow. Gratuito, fácil de navegar e apoiado por pesquisas clínicas, o app e suas 58 sessões de terapia estão revolucionando o tratamento da depressão.

Clique aqui para saber mais e faça o download grátis!

Este artigo foi traduzido, para ver a versão original clique aqui.

Tags: No tags

Leave A Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *